No Dia da Prova

Jorge Silveira e Ricardo J. Ferreira

Não existe fórmula matemática por meio da qual se possa ensinar alguém a fazer prova. Na hora fatal, cada concursando tem um comportamento diferente, de acordo com seu domínio das matérias, equilíbrio emocional, experiência e hábitos de estudo.

Sugerimos que o candidato resolva primeiro as questões que envolvam maior grau de interpretação e concentração (línguas portuguesa e estrangeira, por exemplo). Depois de algumas horas de prova, dificilmente o concursando consegue manter concentração suficiente para resolver questões relacionadas à interpretação de textos longos.

Após essas questões, talvez seja prudente solucionar os problemas mais trabalhosos em matéria de cálculo. É o caso de matemática, contabilidade e estatística. Caso perceba que elas são muito complexas e/ou confusas, você deve analisar a possibilidade de solucionar apenas parte das questões dessas matérias, ainda que tenha convicção de que conseguiria resolvê-las integralmente. Não se esqueça do tempo disponível e de que você precisa ter média mínima em outras matérias. O relógio deve ser seu grande aliado.

As questões menos trabalhosas podem ficar para o fim (direito e auditoria, por exemplo). Nas matérias desse grupo, em geral, não há muito o quê se ruminar. Ou o candidato sabe, ou não sabe.

Meia hora, no mínimo, antes do término do tempo de prova, comece a marcar o cartão. De nada adianta você fazer uma excelente prova, se não deixar o registro no cartão para a posteridade. Primeiro, marque as respostas suavemente a lápis, de forma que se possa alterá-las com facilidade em caso de mudança de ponto de vista ou erro no preenchimento do cartão. Após confirmar suas respostas, reforce a marcação.

Em resumo, eis o que se deve ter em mente nas horas que antecedem a prova e durante a sua realização:

1) Relógio: é um importante aliado no controle do tempo gasto em cada matéria;

2) Cartão de respostas: não se esqueça de separar 30min, no mínimo, para a marcação;

3) Ordem preferencial para solução das questões:
a) matérias de maior grau de interpretação e concentração (língua portuguesa, língua estrangeira);
b) disciplinas que contenham questões trabalhosas em relação a cálculo (matemática, contabilidade, estatística);
c) Questões menos trabalhosas (direito administrativo, direito constitucional, auditoria);

4) Separe um determinado tempo para cada matéria.
Exemplo: a prova tem duração de 4h, com as matérias: língua portuguesa (15 questões), matemática (10 questões), direito constitucional (10 questões) e administrativo (10 questões).
Poder-se usar: 1,5h para língua portuguesa + 1h para matemática + 1h para direito + 30min para marcação do cartão de respostas;

5) Comida e bebida: lembre-se de que você pode sentir fome e sede durante a prova. Uma garrafa com água e barras de cereais devem resolver o problema.

Notas:
a) as provas de língua portuguesa tendem a ser trabalhosas, pois envolvem interpretação de textos longos. É necessário, pelo menos, 1h para fazer as questões com a devida atenção;

b) o tempo gasto varia de acordo com os seguintes fatores: grau de dificuldade das questões, quantidade de textos a interpretar, incidência e complexidade de questões com cálculos etc.

FONTE

»crosslinked«

Walter Cunha

O professor Walter Cunha é pós-graduado em Gerência de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Engenheiro Eletrônico pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica ( ITA).

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *