IPEA: Saiu o Edital! E que edital…. (8 Vagas TI)

Walter Cunha

O professor Walter Cunha é pós-graduado em Gerência de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Engenheiro Eletrônico pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica ( ITA).

Você pode gostar...

5 Resultados

  1. Edson disse:

    Sou formado na área de TI e concordo plenamente com o comentário do Walter Cunha.  Querer barrar profissionais das áres eletro/eltrônica é fornecer um atestado de incapacidade, e dizer que eles são melhores que os profissionais de formação de TI. E isso não é verdade. Agora se o você Mário não consegue passar em um concurso o problema é pessoal. Será que você estudou o bastante e tem capacidade o bastante para tal. Será que você já fez uma avaliação de como foi seu desempenho na faculdade? Será que você valorizou o esfoço dos seus professores em tentar repassar os conhecimentos? Sou professor universitário e o que eu tenho visto em sala de aula é que muitos alunos não dão o menor valor ao conteúdo ministrado em sala de aula, não querem aprofundar os conhecimentos, não pesquisam, não criam projetos e não valorizam o conhecimento que é a base de tudo.  Só quando chegam ao mercado de trabalho é que percebem o tempo perdido e ficam a chrar o leite derramado.

  2. Jonas Silva disse:

    Walter, me permita um adendo.
    De modo geral, a regulamentação do CREA é da seguinte forma:
    Existe o engenheiro eletricista e duas habilitações: Eletrotécnica (Sistemas de Potência, instalações elétricas, máquinas elétricas, etc.) e Eletrônica (Telecom, Eletrônica, etc.). Quem tem diploma de Engenharia Elétrica tem as duas habilitações, é o chamado Engenheiro Eletricista generalista. No entanto, os melhores salários e oportunidades de emprego se encontram na segunda habilitação, chamada por alguns de “habilitação para pequenos sinais”, ou art. 9º, pois essa habilitação está descrita no art 9º da lei q regulamenta as atividades de engenharia.
    Eu não vejo nada de mal em engenheiros concorrerem a vagas na área de Tecnologia da Informação, pois há matérias na grade q englobam T.I.. O inverso, uma pessoa formada em Processamento de Dados trabalhar como engenheiro não pode ocorrer, pois o nível de matemática, física, a profundiadade com q alguns assuntos são abordados é mto grande em cursos de Engenharia. São pesados os cursos de Engenharia e o número de créditos é de 260 em média, sendo 5 anos para terminar o curso. No entanto, na área específica de TI existem diversos cursos, tais como Ciências da Computação, Análise de Sistemas, Sistemas de Informação, Proc. de Dados, Tecnólogo em Redes, etc. Mtos desses cursos são ótimos, mas mtos desses cursos são ruins e duram apenas 2 anos, pois as faculdades particulares querem amealhar mais clientes. Trabalhei com algumas pessoas provenientes de tais cursos e me decepcionei bastante e acho q o objetivo de um concurso público é selecionar os melhores candidatos.
    Por exemplo, qdo não havia concurso e ainda a área de informática era recente no Brasil, mtas pessoas com conhecimento duvidoso ingressaram no serviço público. Algumas destas pessoas não tinham o nível adequado. Trabalhei em uma grande empresa estatal, e me deparei com Analistas de Sistemas Sênior q não sabiam sequer manipular o power point ou o q era TCP/IP.
    Por isso, defendo um concurso público q abranja as várias áreas, mas selecione os melhores candidatos.
    Abraço a todos.

  3. Walter Cunha disse:

    Caro Mário,

    Já faz tempo que estou na área dos concursos e sempre me deparo com pessoas como você, cuspindo fogo, que gostam de ataques gratuitos, de adjetivos negativos e de pronomes possessivos.

    Bom, eu não apaguei comentário seu algum, por isso, relaxe, eles são aprovados por mim antes de entrarem no ar para que eu possa filtrar excessos. Até agora não tinha visto seus comentários, e não vejo motivo para não colocá-los no ar. Qual seria o problema? Sua opinião tem efeito “erga omnes”? Se tivesse, estaria no DOU. É apenas mais um comentário de alguém exaltado.

    Eu não sei se você sabe, mas sou um dos maiores defensores da regulamentação da área para evitar absurdos como o que aconteceu na SEFAZ-CE. Enquanto não for aprovada essa lei, qualquer tentativa de restrição, é mais do que ilegal, é Inconstitucional. Alguém que ir contra a Constituição?

    Também acho que você está confundindo os termos. Eu estava falando de Tec-no-lo-gia da In-for-ma-ção, não só das sub-áreas de sistema: Análise, Programação… Se você quiser fazer um regulamentação só dessas áreas, fique à vontade. Todo apoio! Porém, tentar excluir os engenheiros eletrônicos e de Telecom da TI, “Sonha, Tonha!”. A TI engloba Hardware e Arquitetura (praia de eletrônicos) e Redes de Comunicação (praia dos Telecons), então, como essa tese se sustenta? Aliás, o Termo TI está sendo substituíudo por TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação), aí o negócio vai ficar pior ainda.

    Felizmente, desconheço projeto de lei com este nível de restrição que você comemorou. E o negócio só não sai por questões de despesas trabalhistas e não por questões de gueto, feudo, como você quer dar a entender. Por mim, regulava tudo e te davam um CREA também para você ficar feliz. É muito comum as área de engenharia se intercambiarem: vagas de eletrônico preenchidas por eletricistas, de Telecos preenchidas por eletrônicos. Tudo sem trauma.

    Por fim, filho, esqueceu-se do Concurso? Não existe invasores, existem aprovados. Essas história de “invasores”, “minhas”, etc, parece coisa de xiita. Quer apostar como se você estudar para caramba você vai passar? Aposto um suco de maracujá pra te acalmar.

    Bons Estudos!

    Walter Cunha

  4. Mário disse:

    Você apagou meu post anterior porque vc é engenheiro eletrônico né? Aí vc não aceita críticas e ainda vem falar de inconstitucionalidade. Eu acho que vcs da engenharia devem ser barrados para prestarem concurso de TI. Mas enquanto minha área de TI não é regulamentada, vcs podem invadi-la. É direito seu, infelizmente.

    Não vejo a hora de TI ser regulamentada e barrarem todos esses engenheiros que invadem a área e provacam q queda dos nossos salários.

  5. Mario disse:

    Na verdade a palhaçada é que a área de TI não é regulamentada e isso dá liberdade que invasores de outras áreas, como as áreas de engenharia, entrem e concorram com o pessoal que tem curso superior de informática. Agora pergunte se eu posso ser engenheiro? Sem CREA?

    Uma vergonha minha área de TI. Enquanto não votarem o projeto de lei, que já existe, veremos editais desse nível aparecerem.

    REGULAMENTAÇÃO DE INFORMÁTICA JÁ!! ABAIXO A OUTRAS ÁREAS QUE NÃO SÃO DE TI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *