EVP: Definindo o Objetivo

 

Pessoal,

alguns avisos:

1. Eu não estou embromando, acho que estes artigos iniciais, se explorados com a devida atenção, farão tanta diferença no sucesso de vocês como concurseiros quanto os artigos técnicos, os quais, em breve, darei início.
2. Estou viajando direto, por isso, não estou tendo condições de agendar as vídeo-aulas.

Vamos ao artigo de hoje…

Beleza! Definimos nossa situação atual, e agora?

O próximo passo é definir o nosso objetivo: que concurso prestar?

Alguns vão dizer: "O que vier pela frente, tudo é TI!", ou "O que pagar melhor!".
E eu direi: "não é bem assim".

Existem diferentes tipos de exigências nos concursos, bem como nas atividades dos cargos de TI, a começar pelas próprias matérias cobradas no certame.

Temos concursos de órgão que não tem muita tradição no departamento de TI (se existir um…). Nesses, o agente de TI vai ser responsável por só tudo. Às vezes, a TI nem é exigida nesses concursos, mas, quando o concursado entra, perguntam assim: "Quem quer ir para a TI?". (Pense!)

Temos concursos com o do SEPRO e da DATAPREV, nos quais a TI é a própria área-fim da empresa. Sendo assim, o certame praticamente só exige TI operacional e algumas matérias fundamentais como Português. Quer continuar programando? O caminho é esse!

Existem concursos como os de PCF, ABIN, e de Informática Legislativa (Senado), nos quais o agente de TI atua como especialista na área e, como tal, será exigido. Além de conhecimento aprofundado, vai se exigir muito conhecimento do Direito.

Existem órgãos que já desenvolveram uma TI forte e o agente vai atuar como gestor. São eles: Bacen, TCU, CGU, STN, RFB, MPOG. Por exemplo, na RFB, dê adeus à programação.

Dentre estes, em alguns o pessoal da TI atua (ou pelo menos deveria atuar) em conjunto com a área-fim, como no TCU e na RFB.

O que vai diferenciar muito na escolha é a afinidade com as matérias adjacentes cobradas no certame. Gosta de Tributário? O caminho é a Receita… Gosta de Controle? TCU ou CGU… Gosta de Finanças Públicas? STN ou Bacen

Por último, mas não menos importante, a infinidade de ofertas dos tribunais, cujos salários não são os “ultra-tops”, mas oferecem muitas outras vantagens como, por exemplo, a flexibilidade de horário.

Ainda há outros fatores que fazem toda a diferença na hora de fazer as subtrações no aparentemente pomposo contra-cheque (e que afetam o coração):

– Morar em BSB ou não?
– Quer um dia voltar pra casa?
– Tem problemas em morar em um interior?
– Existe mercado de trabalho para o respectivo na nova cidade? (se casado)
– Flexibilidade de horário para outras atividades.
– Oportunidades de cursos e de viagens.

É claro que não conheço todos os cargos a fundo, mas em resumo é isso!

Há pouco tempo fiz uma enquete sobre "O concurso de TI dos seus sonhos". Vejam o resultado:
http://waltercunha.com/blog/index.php/2008/07/04/qual-o-concurso-de-ti-dos-seus-sonhos/

Pois é, galerinha, nem tudo se resume aos bits do contra-cheque. Procure obter o máximo de informações possíveis sobre o órgão-alvo e só então decida.

Eu já vi muita gente ganhando bem se frustrar… E não é só conversa de professor! 🙂

Bons Estudos!
Walter Cunha
[email protected]
http://www.waltercunha.com/

»crosslinked«

Walter Cunha

O professor Walter Cunha é pós-graduado em Gerência de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Engenheiro Eletrônico pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica ( ITA).

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Roberto disse:

    Walter,
    Ótimo artigo!
    Você podia colocar mais algumas informações (ou onde encontrá-las) sobre as principais carreiras. Por exemplo, eu nunca estudei nenhuma “matéria adjacente”, então ainda não sei como definir o meu objetivo.

  2. Walter Cunha disse:

    Valeu, Felipe!
    É muito importante a aprovação de vocês!

    WC

  3. Parabens pelos posts no euvoupassar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *