Série Provas Subjetivas – CESPE 2008 STF Analista de Sistemas

Galera, fiquei um bom tempo sem publicar nada. Foi uma correria a minha mudança de Belém para Brasola, porém já estou me adaptando à cidade e já até encontrei os cursinhos para assistir a aulas de Direito Administrativo e Constitucional e também uma galera para jogar basquete! Falta agora só a academia! 😀

Bom, para o meu primeiro post de 2009, quero disponibilizar um simulado que fiz para responder a prova subjetiva do concurso do STF de 2008 para o cargo de Analista de Sistemas organizado pelo CESPE.

1. O que foi pedido na prova:

A figura acima, adaptada do sítio ocg.gov.uk, apresenta um esquema empregado na melhoria de serviços de TI. Tomando por base os elementos apresentados, redija um texto em que se esboce um plano de desenvolvimento do órgão de informática de um tribunal federal fictício. No seu texto, aborde, necessariamente, os seguintes aspectos:

* visão;
* avaliação da condição atual;
* definição de metas;
* realização de melhorias;
* verificação de alcance de marcos.

2. Como eu respondi:

Para um melhor esboço de um plano de desenvolvimento do órgão de informática do Supremo Tribunal Federal (STF), é aconselhável que o plano seja feito por uma equipe formada por alguns profissionais das áreas que constituem o órgão como as áreas de desenvolvimento de software, suporte, gestão de tecnologia da informação, etc. Para o líder da equipe, o coordenador ou diretor do órgão de informática é o mais indicado, pois é o mais próximo da cúpula administrativa do STF. Com a equipe constituída, ela, nesse momento, poderá construir o plano de desenvolvimento seguindo cinco passos: criação da visão do órgão, avaliação da sua condição atual, definição de metas, realização de melhorias e verificação de metas.

Para facilitar a conquista do primeiro passo, é primordial haver o alinhamento estratégico entre o órgão de informática e o próprio STF. Com o alinhamento, a equipe poderá definir que serviços o STF realmente necessita e como ele serão oferecidos e suportados. Como sugestão, a equipe poderá utilizar os modelos Cobit e Balanced Scorecard (BSC). A segunda fase do plano é a avaliação da condição atual do órgão. Através dela, a equipe poderá possuir informações que mostrem quão longe o órgão está da visão futura definida no passo anterior. O modelo a ser usado nesse estágio pode ser o SWOT que diagnosticará o ambiente tanto externo (oportunidades e ameaças) quanto interno (forças e fraquezas) do órgão.

Uma vez descobertas as informações de aonde se quer chegar e onde se está, a fase seguinte é montar as estratégias para tornar a situação atual na situação futura. É o que equivale exatamente aos três últimos passos do plano, definição de metas, sendo utilizados o Cobit e ITIL com foco nos Fatores Críticos de Sucesso (CSF) e Indicadores Chave de Metas (KGI); realização de melhorias e verificação de alcance metas, também sendo escolhidos os modelos da fase anterior só que o foco agora são nos Indicadores Chave de Desempenho (KPI).

3. Observações:

* Fiz esse simulado ano passado estudando para o concurso do STJ, portanto pode haver alguns errinhos no uso de alguns modelos (se houver, apontem para eu corrigir); e
* Fui influenciado pela redação do Flávio Costa (http://apconcursos.blogspot.com/2008/08/discurvisa-stf.html) que inclusive estava excelente.

Bom, se puderem opinar, indicarem onde estou errando e, principalmente, mostrando como posso melhorar minhas redações, ficarei muito agradecido! 😀

P.S: Eu criei um blog (http://rogeriogildoaraujo.blogspot.com/) onde vou disponibilizar além de assuntos para TI e concursos, outros sobre diversos assuntos.

[]s

_________________
Rogério Araújo
Blog: http://rogeriogildoaraujo.blogspot.com/
Gmail: [email protected]

O trabalho árduo e a disciplina são os meios mais rápidos de alcançar meus objetivos!!!
Eu posso, eu consigo! Eu acredito em mim!

»crosslinked«

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *