(UnB/CESPE – CBMDF – Engenheiro de Redes de Comunicação – 2007) – Agoritmos de Roteamento

(UnB/CESPE – CBMDF – Engenheiro de Redes de Comunicação – 2007) Uma das tarefas necessárias em um projeto de rede é a seleção de protocolos de pontes e de roteamento, em que sejam considerados aspectos como características do tráfego de rede, largura de banda e memória disponíveis, e o número aproximado de roteadores ou switches admitidos. Acerca desses protocolos, bem como das técnicas e dos algoritmos neles empregados, julgue os itens que se seguem.

Item 75

Para emprego do OSPF, cada sistema autônomo possui uma área de backbone, denominada área zero. O OSPF define três classes de roteadores: internos (que ficam inteiramente em uma área), de borda de área e de backbone.

Solução:
A internet é formada por um grande número de sistemas autônomos. Um sistema autônomo (SA) pode ser visto como
um conjunto de redes e roteadores adjacentes, onde cada SA é administrado por uma organização diferente. Um SA pode, por exemplo, corresponder a toda uma organização ou uma universidade. Uma grande organização com múltiplos sites pode – por razões econômicas, técnicas ou administrativas – definir um SA para cada um destes sites.

Cada SA pode utilizar um algoritmo de roteamento interno diferente, denominado de protocolo de gateway interior e, dentre eles, temos o protocolo OSPF (Open Shortest Path First). O OSPF funciona transformando o conjunto de redes, roteadores e linhas em um grafo orientado, no qual se atribui um custo (distância, retardo, etc.) a cada arco, calculando em seguida o caminho mais curto com base nos pesos dos arcos.

Muitos do SAs são grandes e difíceis de gerenciar e o OSPF permite que eles sejam divididos em áreas numeradas. Uma área é uma rede ou conjunto de redes contíguas que não se sobrepõem e, fora da área, a topologia e os detalhes desta rede não são visíveis.

Cada SA possui uma área de backbonerede que tem conexões diretas com todos os outros segmentos da rede – denominada de área zero (0) e o OSPF distingue quatro classes de roteadores:

  1. roteadores internos, que ficam inteiramente em uma área.

  2. roteadores de borda de área, que conectam duas ou mais áreas.

  3. roteadores de backbone, que ficam no backbone e

  4. roteadores de fronteira do SA, que interagem com roteadores de outros SAs

A figura a seguir mostra estas relações:

Resposta: errado

Fontes bibliográficas:

Item 76

Um algoritmo de roteamento que tem sido utilizado para melhoria da qualidade de serviços QoS em redes é o flooding seletivo, em que cada pacote de entrada em um roteador é enviado para toda a linha de saída, exceto para aquela em que chegou.

Solução:
Um algoritmo de roteamento é a parte do software da camada de rede responsável pela decisão sobre a linha de saída a ser usada na transmissão do pacote de entrada. Um dos algoritmos utilizados é o flooding (inundação) seletivo. Neste algoritmo, os roteadores não enviam cada pacote de entrada para todas as linhas, mas apenas para aquelas que provavelmente estão na direção certa. Como exemplo, numa determinada rede, não haveria razão para se utilizar uma linha da região norte para transportar um pacote cujo destino fosse a região sul desta rede.
Resposta: errado

Fonte bibliográfica:

Obras do Author:

»crosslinked«

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *