4 Atitudes que farão de você um vencedor

Fala galera dos concursos!

Após um tempo ausente, voltei com um artigo saído do forno, para motivá-los nessa desgastante carreira de concurseiro sofredor.

Em meus tempos de concurseiro, quando estudava feito um doido, aquele verso famoso mereceu uma adaptação: “que não seja para sempre, posto que o estudo é chama, mas que parece infinito enquanto dura“. Quem já não passou por isso? Estudar e não ver o tempo das aprovações chegar?

Pois é, mas ele chega sim. E, para tentar encurtar essa distância entre você e seu sonho de consumo… ops, de concurso, trago mais um artigo da série “vencer é para quem insiste“.

Espero que goste, mas, se não gostar, os comentários estão aí pra isso mesmo.

=o)

ps. ainda não consegui organizar as imagens, mas isso não deve atrapalhar a leitura, mas, se tiver curiosidade de ver como ficou no original, sua visita será bem-vinda.

Link direto: http://wallysou.wordpress.com/2010/03/30/4-atitudes-que-farao-de-voce-um-vencedor/

Vencer, uma pequena palavra que evoca grandes sentimentos e desperta sonhos adormecidos.

Perder, parte do processo onde se aprende a vencer. Perder também evoca sentimentos: dor, perda, desprezo, angústia, humilhação… Perder enterra sonhos, mata desejos e aniquila aspirações… perder é cruel, mas pode ser uma esplêndida lição a nos ensinar a valorizar a vitória futura.

Você quer vencer? leia isso e veja como pode aprender a vencer:

24 ¶ Há quatro coisas mui pequenas na terra que, porém, são mais sábias que os sábios:
25 as formigas, povo sem força; todavia, no verão preparam a sua comida;
26 os arganazes, povo não poderoso; contudo, fazem a sua casa nas rochas;
27 os gafanhotos não têm rei; contudo, marcham todos em bandos;
28 o geco, que se apanha com as mãos; contudo, está nos palácios dos reis.

Pv 30. 24 a 28 (ênfases acrescidas)

É o bicho mesmo!

Vamos às lições da bicharada:

  • A formiga:
A formiga

Quando o texto diz “povo sem força“, está a referir-se à visão humana, comparando a formiga ao homem, em termos de tamanho. Todavia, podemos tirar grandes lições disso, quais sejam:

  1. alguém pode olhar para você e não “dar nada” por você, achar que você não tem força pra nada, que não vai conseguir ser ninguém na vida. Mas, a formiga nos ensina que temos um grande potencial de superação: ela é capaz de erguer, carregar dezenas de vezes seu próprio peso;
  2. use as críticas ao seu favor, mostre a quem te considera fraco, fracassado, perdedor, sua capacidade de se superar, levantar-se após as derrotas e seguir em frente;
  3. mas, na minha opinião, a melhor lição da formiga é: se tenho pouca força (talento, capacidade, inteligência, etc), vou vencer pelo esforço. Esforço aqui é planejamento, antecipar-se à crise, às oportunidades.

Quando estudava para concursos, descobri, pela pior maneira, que as provas não alisam a apostila de ninguém. Eu tinha que me preparar e me planejar com antecedência e métodos adequados para ser bem sucedido. Quer vencer?

Primeira lição: planeje-se, prepare-se, antecipe-se. Quer mais uma lição da formiga? “Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; olha para os seus caminhos, e sê sábio”, em Pv 6.6. Você pode até vencer sem planejamento, mas vai gastar mais: tempo, recur$o$ e energia. E as chances de desistir serão maiores também.

Exemplo: como nordestino, muitas vezes, vivi isso, e muitos conterrâneos meus também. Mas, dê uma olhada no DOU ou um passeio pela Esplanda dos Ministérios e demais órgãos públicos (onde moro). Você vai ver muitos “cabeças chatas” (como eu) nos melhores órgãos e cargos da Administração Pública. Superação também pode fazer parte de sua história de vida.

  • O arganaz (espécie de roedor da palestina):
Um ratinho fofinho

O que é ser “um povo não poderoso“? É ser um povo sem muitos recursos, sem muitas alternativas, sem opções, enfim. E que lição posso aprender com isso? Veja as seguintes:

  1. se não tenho muitos recursos, tenho que aprender a fazer mais com menos, ou seja, ser mais eficiente, evitando desperdícios;
  2. se não tenho muitas alternativas, tenho que ser criativo, descobrir novas formas de gerar a energia que necessito para me manter na disputa, seguir em frente;
  3. e qual é a principal lição do arganaz? É saber onde achar refúgio quando mais se precisa.

Descobri a importância disso depois de alguns fracassos dolorosos em reprovações de concursos, quando eu precisava quase que desesperadamente ser aprovado. Na hora da dor da reprovação, encontrei refúgio nos braços amorosos de minha esposa, que me acolheu e me confortou: “amor, se não foi desta vez, não desanime, a sua hora vai chegar; não fique assim, levante a cabeça, eu sei que você pode!”.

Exemplo de fazer mais com menos: Israel vive no meio de nações hostis, tendo que sobreviver com parcos recursos, encravado num entremeio de montanhas e desertos, e foi lá, nesse ambiente inóspito, que foi desenvolvida uma técnica revolucionária de irrigação que, literalmente, mudou a cara da região: o deserto floresceu! É tão boa que é usada com sucesso no Nordeste brasileiro.

Segunda lição: cultive seu lugar de refúgio, de descanso, onde refazer as forças depois de uma batalha, principalmente se tiver sido uma batalha perdida. Geralmente, os melhores lugares de refúgio são os braços das pessoas que nos amam.

  • O gafanhoto:
Não é roedor, mas rói muito

Não ter rei, em tese, pode significar várias coisas, entre elas: sem regras, sem limitações, independência, etc., mas, julgo que o que o texto quer chamar a atenção é: sem proteção, sem apoio, sem um nome por trás, enfim, sozinho, um lutador solitário. E o que o gafanhoto nos ensina?

  1. posso não ter rei, mas isso não quer dizer que não devo seguir regras, e posso fazer minhas próprias regras, ter minha própria disciplina;
  2. se não tenho quem me defenda, preciso descobrir formas de evitar encrencas e saber me defender em caso de necessidade, ou seja, preciso ser cauteloso e precavido;
  3. e a lição de ouro desse pequeno ser esverdeado? é saber que, estando sozinho, é muito vulnerável, e a melhor forma de superar esse obstáculo é trabalhar em equipe.

Exemplo de trabalhar em equipe: quando eu comecei a estudar, vi que, sozinho, obtinha poucos bons resultados. Depois que descobri o fórum e comecei a me inteirar com pessoas que eram melhores do que eu, e compartilhar material e experiências, meu desempenho deu um salto de qualidade, e comecei a usufruir os frutos dessa parceria.

Outra coisa, descobri que tinha pouco tempo disponível, durante o dia, para estudar. Assim, coloquei uma regra: passei a estudar de madrugada também. Certa feita, numa madrugada chuvosa, um frio de rachar, minha esposa quis me segurar na cama: “fica só hoje, estou com pena de você…”; “não amor, preciso levantar… tenho que estudar”. Não quebre suas próprias regras, obedeça-as.

Minha história de sucesso não pode ser dissociada da ajuda que recebi de alguns colegas, e foram determinantes para conquistar aquilo que sempre desejei: vencer. Sem essa ajuda, eu não estaria aqui contando isso para você. Compartilhe auxílio a quem te pedir, não dói e traz muitos benefícios.

Terceira lição: saiba ser companheiro, descubra os grandes benefícios do trabalho em equipe. Juntos, podemos ir mais longe e fazer mais do que se fizéssemos isoladamente.

  • A lagartixa (ou geco):
Uma simpatia o rapaz, não?

O geco é um bichinho frágil, assim como os demais, e essa característica de se poder pegá-lo com as mãos pode denotar muitas coisas, entre elas a inércia ou incapacidade de movimentação, ou falta de dinamismo, quem sabe. Os répteis, por natureza, têm sangue frio, e necessitam se aquecer ao sol, talvez por isso se diga que “podem ser pêgos à mão”. E o que podemos aprender com esse simpático lagarto?

  1. se temos problemas de inércia, dificuldades de locomoção, a saída é fazer um “pré-aquecimento” antes. Eu sou um que detém essa característica: demoro a embalar. Solução: começar a correr bem antes para, quando for para valer, já estar em ponto de bala;
  2. use sua fraqueza a seu favor: se te acharem “mole”, “fraco”, não saia esbravejando suas qualidades e pontos fortes, pois isso pode alertar seus oponentes, então “finja-se de morto para dar o bote quando menos se espera”;
  3. não nutra complexo de inferioridade, achando-se coitadinho, um escolhido pelo destino para ser um perdedor nato. O geco tem problemas na horizontal, mas na vertical [subir pelas paredes], é imbatível;
  4. mas, a meu ver, a maior lição que o geco nos ensina é a da humildade: ele se pega com as mãos, mas seu comportamento humilde o leva à presença dos grandes [no palácio dos reis].

Às vezes, achamo-nos incapazes, inertes, sem condições de chegar ao nosso objetivo. E também já passei por isso, achava que passar em um grande concurso era coisa para malucos, e eu, apesar de ser considerado meio doido, pensava que malucos era os outros =o). Então, um dia, aliás, uma madrugada, para ser mais preciso, acordei e me vi dizendo de mim para mim mesmo (coisa de doido, sabe?): “você tem condições de passar no concurso da Receita, se você quiser”! Já comentei que me acham meio doido?  =)

Pois então, depois daquela madrugada, as coisas começaram a clarear para mim, e a noite escura se foi. Já não duvidava mais que era possível conquistar o impossível, pela fé (como diz uma música evangélica). Aquilo me marcou: não foi um sonho, mas me abriu as portas para a conquista dos meus sonhos, que se tornaram realidade.

Se você conseguiu chegar até o fim deste texto, parabéns, pode se considerar um vencedor, pois nem todos suportam ler um texto meu até o fim… rs

Coloque em prática o que você leu. Pode confiar, é batata, você será um vencedor, independentemente da área em que estiver militando, você vai vencer.

Deus me fez vencedor.

E você, tem alguma experiência para contar? Fique à vontade nos comentários.

Soli Deo Gloria.

wallysou

ex-concurseiro =o)

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *