Proposta de Discursiva: BNB 2006

Walter Cunha

O professor Walter Cunha é pós-graduado em Gerência de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Engenheiro Eletrônico pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica ( ITA).

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Evandro Lima disse:

    Por se tratar de empreendimento de alta complexidade, haja vista a dependência acentuada da instituição por recursos tecnológicos, as inúmeras mudanças a serem realizadas e seus relacionamentos, bem como, os possíveis impactos nos negócios decorrentes de iniciativas mal planejadas, sugere-se a criação de um programa (conjunto de projetos) para condução dos trabalhos.

    O programa deve ser conduzido por um pequeno grupo de pessoas que possuam respaldo formal da diretoria do banco e seja composto por representantes de todas as áreas envolvidas, além do pessoal de Tecnologia da Informação (TI), pois as decisões que serão tomadas deverão estar alinhadas com as necessidades e prioridades do negócio.

    Esse pequeno grupo se encarregará de levantar as necessidades de cada setor, verificar a disponibilidade de recursos de toda espécie (financeiro, de pessoal, tecnológico) e, baseado nessas informações, definir, aprovar e autorizar os projetos prioritários.

    Em seguida, deve-se formar equipes para condução dos projetos escolhidos, considerando-se, da mesma maneira, o envolvimento de técnicos e pessoas de outras áreas que entendam do negócio. Tal abordagem contribuirá para manutenção do foco nas necessidades reais da instituição, diminuindo ainda as possíveis resistências a mudanças, uma vez que todos tiveram participação nas decisões.

    O primeiro projeto deverá abordar as questões de infra-estrutura, ou seja, qual tecnologia utilizar na interligação das agências. O que irá trafegar pelo link (linha de comunicação)? Quais os serviços prioritários? Será necessária a implementação de Quality of Service (QOS)? O acesso deverá ser feito por uma Virtual Private Network (VPN)? Qual operadora atende cada região e quais os serviços que eles disponibilizam? Quais os custos de implantação e manutenção dos links? Cada agência faz seu próprio contrato ou adquirem um pacote de serviços com um Service Level Agreement (SLA) que atenda as necessidades de todos e reduza os custos pelo volume da aquisição? Nossos técnicos dominam as tecnologias atuais ou será necessária realização de treinamento? MPLS (Multi Protocol Label Switching) ou Frame Relay?

    O segundo projeto, responsável pela definição do Sistema Gerenciador de Banco de dados (SGDB) deverá, por sua vez, discutir os aspectos relevantes sobre o assunto, tais como: desempenho; necessidade de efetuar adequações aos sistemas existentes; custo de migração; vantagens e desvantagens do tipo de licenciamento utilizado pelo software; custo de aquisição e manutenção; treinamento; hardware necessário para executá-lo. Enfim, Oracle, Mysql, Microsoft SQL Server?

    A equipe do terceiro projeto, por sua vez, enfrentará o desafio de identificar quais as linguagens de programação em uso e qual ou quais serão utilizadas daqui por diante, dadas as modificações ocorridas no ambiente. Utilizar qual software de gestão de conteúdo para implantar a intranet? Quais as prioridades no desenvolvimento dos novos sistemas? Java ou DotNet? RUP ou Iconix? Extremme Programming (XP) ou Scrum? Qual o impacto dessa escolha no projeto de banco de dados, na segurança, na infra-estrutura?

    O quarto e último projeto tratará das questões relativas à segurança de todo o ambiente, envolvendo aspectos da migração, confidencialidade, integridade e disponibilidade das informações. Um bom ponto de partida é a definição do escopo do projeto a partir de uma análise e avaliação dos riscos. A análise dos riscos identificará os principais ativos, ameaças e vulnerabilidades. A avaliação, por sua vez, definirá quais as prioridades e controles a serem adotados de acordo com a análise efetuada e o apetite ao risco da instituição.

    Em face do exposto, fica evidente que a “comunicação” entre todos os projetos é fator crítico para o sucesso da empreitada, uma vez que as decisões tomadas influenciarão nas decisões dos outros projetos. Em casos de impasses, que invariavelmente ocorrem em todos os projetos, tais como: Linux ou Windows, WordPress ou Joomla, Oracle ou MySql, dentre outros; o grupo que gerencia o programa deverá utilizar de sua autoridade para intervir e direcionar os esforços para uma conclusão bem-sucedida.

    »crosslinked«

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *