Depoimento: Valmir Sena – Aprovado TCU 2010

Olá Pessoal,

Aproveitando os outros depoimentos de hoje do pessoal que passou no TCU
resolvi terminar o meu e postar aqui!!!

Agradeço está conquista primeiramente a Deus e a minha esposa que sempre
acreditou em mim,

e aos Professores Walter, Pedrosa e Gleyson do Itnerantes Recife cujas aulas
me renderam pontos preciosos no concurso.

Então vamos lá, desculpem por ser tão grande!!!

Passei no concurso da Aeronáutica em 1998. Comecei a fazer Sistemas de
informação em Porto Velho em 2000, mas o curso era de manhã e eu tinha que
pegar no trabalho ao meio dia, assim eu chegava atrasado no trabalho todo
dia e meu chefe me enchia o saco. Por estes motivos, abandonei Sistemas de
Informação e resolvi fazer Administração à noite mesmo sem gostar só para
obter o canudo, me formando em 2004. Sendo transferido para Recife em 2005,
comecei o curso de Ciências da Computação na UFPE. Fiz o concurso de AFRB-TI
2005 para Recife e fui até bem, mas não passei, o que foi uma pena, pois
minha nota passaria se eu tivesse feito a prova na região Norte. Acho que
naquela época o pessoal de TI ainda não havia despertado para os concursos.
Em 2006 fiz concurso para a Agência Estadual de Tecnologia da Informação de
Pernambuco para a área de suporte que exigia apenas curso superior em
qualquer área e passei em 4º colocado sem estudar muito, pois as matérias do
concurso eu já vinha estudando a algum tempo por causa do meu trabalho.
Muita gente de lá quando ficava sabendo que eu era formado em Administração
ficava entronchando a cara. Depois disso resolvi voltar a estudar para
concursos apenas depois que terminasse a graduação em Ciência da Computação,
que era a graduação que de fato eu queria e além disso, percebi que a
maioria dos bons concursos de TI exigiam graduação na área ou
especialização. Até pensei em fazer uma especialização em paralelo, mas
fazer o curso na UFPE trabalhando ao mesmo tempo já era bastante pesado.

Nesse meio tempo, sem estudar fiz o concurso para analista do TRF 5ª região
e fiquei em 53, fiz o da câmara do deputados, também sem estudar e meu nome
nem apareceu na lista, maior decepção, aí parei de jogar dinheiro fora e
resolvi fazer concurso só quando eu estudasse de fato. Terminada a
graduação, contrariando a vontade da minha esposa, que queria que eu
começasse a estudar para concurso, entrei no mestrado. Assim, nas férias do
mestrado no ano passado, comecei a estudar para concurso do TCU 15 dias
antes das provas. Na época nunca havia estudado nada de governança ( COBIT,
ITIL e PMBOK) e não era tão bom na área de engenharia de software, pois
sempre trabalhei na área de suporte. Então, levei ponto de corte no TCU 2009
por 4 questões na específica e 5 na básica.

Veio a ANAC na semana seguinte e levei ponto de corte de novo por causa das
matérias de governança e de engenharia de software, então vi que eram esses
os meus calos. Daí comecei a estudar para o Banco Central que estava com a
expectativa de sair, umas 2, 3 horas horas por noite quando chegava do
trabalho. Em outubro, para treinar resolvi fazer a prova do TRT do Ceará,
que fumo que eu levei!!!! Fiquei para lá de 300 e poucos na classificação,
aí desanimei e comecei a pensar que mais nunca passaria em nenhum concurso
bom!!! Continuei estudando para o BACEN e no meio tempo fiz o concurso para
Analista de Suporte do IBGE para pernambuco e parei para estudar para ele
somente uma semana antes, fiquei em terceiro, mas era apenas uma vaga, e aí
me animei um pouco, mas fiquei pensando que eu só me dava bem na área de
suporte.

Chegou o dia do concurso do BACEN. Para esse estudei bastante, mas no dia
anterior a prova não havia terminado o programa de Economia e acabei
estudando até tarde (23:00) e fiquei com uma insônia danada pensando na
prova que seria no dia seguinte, resultado, fiquei sem dormir até as 04:00
da manhã para acordar às 06:00. Fiz as provas aparentemente sem sono, mas
não conseguir me concentrar, e acabei errado muitas questões mesmo sabendo e
achando a resposta correta. Ainda assim, fiquei em 108, contudo, fora das
vagas. Fiquei arrasado por semanas, pois queria muito passar, estudei
bastante e sabia que tinha condições de ter passado se não fosse pela noite
mal dormida. Cheguei a ir dormir várias noites pensando nas questões que eu
não devia ter errado. Mesmo desanimado, continuei estudando para o concurso
da SUSEP que foi na sequência e fiquei em 39. No da SUSEP algumas pessoas
tiveram um nota semelhante a minha na prova objetiva e ainda assim ficaram
entre as vagas (15). Conclusão, não passei por causa da prova discursiva,
resolvi então fazer o curso do professor Daniel Souza no espaço jurídico em
Recife.

Agora vamos ao TCU!!!!!!!!!

Finalmente, em maio de 2010 com o boato que ia sair o concurso do TCU
comprei o livro de controle externo de Luiz Henrique Lima e comecei a
estudar aos pouquinhos à noite, baseado no edital 2009. Com a saída do
edital, imprimi todo o conteúdo e colei em uma cartolina no meu quarto de
estudos e comecei a riscar os tópicos que eu ia estudando e minha esposa
imprimiu para mim um monte de provas do CESPE para a área de TI. Um mês
antes das provas tirei férias do trabalho só para estudar. Em julho comecei
a fazer o Modulo I do curso ITnerantes promovido pelo Walter Cunha em
Recife. No curso vi que pouquíssimas pessoas iriam fazer o concurso do TCU
por ser em Brasília. Durante as aulas aos sábados e domingos, os professores
sempre colocavam o maior terror quando as questões eram do TCU e sempre
comentavam que haviam turmas avançadas em Brasília (Cathedra e GranCursos) e
em Fortaleza estudando há muito tempo para este concurso. Pôxa, isso
desanimava muito. Quando chegava em casa à noite do curso ITnerantes, eu
sempre me lamentava com a minha esposa que o concurso era de fato muito
difícil e que já tinha muita gente boa estudando há muito tempo e ela
começou a dizer o curso estava me fazendo mal. Ficando um pouco
desacreditado, e sem conseguir ninguém para dividir hospedagem, pensei em
desistir e nem ir fazer a prova para não perder meu tempo, mas resolvi ir.
Às vésperas do concurso estava totalmente esgotado de tanto estudar e senti
que mais um pouquinho e eu iria bater o pino!!!!

E lá veio o primeiro dia de provas. Vi um monte de gente e pensei o que é
que estou fazendo aqui!? Ao começar a prova segui o conselho do Walter e fui
logo olhar as discursivas (o bicho papão) e fazer um esboço inicial. Comecei
as objetivas por português, mas como havia estudado de manhã antes das
provas (não aconselho a ninguém fazer isso), estava de saco cheio, daí
comecei a olhar uma questões de direito administrativo e tomei gosto e aí
fiz as questões de controle externo e licitações. Fui fazer a primeira
discursiva deixando inglês e a metade de português por último. Quando voltei
para português e inglês e eu tinha lá mais paciência!!! Deixei 6 de
português em branco e 4 de inglês e fui fazer a segunda discursiva direto na
folha definitiva sem fazer rascunho. No final, deixei quatro de inglês em
branco sem sequer ler as questões e fui fazer a conclusão da segunda questão
dissertativa. Fui o último a sair da sala. À noite no shopping fui jantar e
acabei encontrando com uns candidatos que tinham feito a prova, dois
inclusive de Recife, os caras comentaram que o CESPE abriu as pernas no
primeiro dia e que fizeram as questões objetivas em apenas duas horas e
ainda tiveram tempo de revisar suas respostas. Revisar respostas? Eu não
tive tempo nem de ler tudo, só tem monstro por aqui!!!

Com o desânimo do primeiro dia, fui para o segundo, olhei logo a discursiva
de SOA e me assustei, um assunto totalmente fora dos padrões das discursivas
do TCU nos últimos anos fora da área de governança e que havia estudado
muito pouco!!!! Fiz a discursiva que valia mais pontos e sabendo que a
segunda discursiva era essencial para livrar o ponto de corte, novamente
escrevi de novo direto na folha definitiva sem rascunho, desta vez não fui o
último, fui o penúltimo a entregar a prova!!!

Voltando para a terrinha, quando conferi o gabarito fiquei muito feliz por
não ter levado ponto de corte e ficar acima do 50%, postei a nota no ranking
do superconcurseiros e fui ficando muito feliz ao ver que minha posição
diferentemente dos concursos do BACEN e SUSEP entrava e entrava mais gente e
eu continuava entre os primeiros e vi que tinha grande chance de passar. A
ansiedade dos dias até a divulgação foram me consumindo, e eu estava com
medo de levar ponto corte na discursiva, mas aí saiu o resultado e foi um
grande alívio e muita alegria!!!!!!!!!!!!

Algumas coisas que aprendi nesta caminhada:

1- Não deixe nunca de estudar e acreditar, pois a fila sempre anda.

2- Sempre vá fazendo outros concursos, mesmo que não sejam o seu alvo e vá
aprendendo com eles descobrindo suas deficiências.

3- Procure não estudar em véspera de prova (o que é difícil quando não se
termina o programa ou quando se tem que revisar por não se lembrar do que
estudou).

4- Façam muitas questões, embora não tenha feito tantas.

Material que estudei:

1- Livros Consagrados de TI indicados no blog do Walter2

2- Os de Direito de Vicente Paulo e Marcelo Alexandrino e Controle Externo
de Luiz Henrique Lima.

3- Lei 8.666 nua e crua, li os casos de dispensa e inexibilidade várias
vezes e decorei o número dos principais artigos da lei.

4- Material do ITnerantes Recife.

5- Software Superprovas.

Parabéns aos demais colegas que passaram no TCU, e boa sorte a todos que
continuam nesta caminhada!!!!

Não desistam nunca o dia de vocês irá chegar!!!

»crosslinked«

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Francisco disse:

    Valmir, aqui é Francisco. Conheci você de vista na ATI. Mais tarde acabamos nos encontrando lá no LatinoWare, em Foz do Iguaçu.
    Só tenho a agradecer pelo seu depoimento.
    Parabenizo você não por ter passado, mas pela sua perseverança. Passar foi uma consequencia.
    Você é sábio, pois agradeceu primeiramente a Deus. Mais do que nunca, honre a Ele sendo o melhor profissional que você puder.
    Abraço,
    Francisco.
     
     

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *