Diário de Concurseiro

Caros Colegas,

Venho apresentar-lhes hoje uma ferramenta que foi fundamental durante o meu período mais intenso de concurseiro, o qual se estendeu do concurso da Polícia Federal em 2004 até o da CGU em 2008. A referida ferramenta é o DIÁRIO DE CONCURSEIRO.

O registro em diários tem sido uma ferramenta consensual na humanidade, quando se trata de evitar os mesmo erros no futuro.  Diários de Guerra, Diários de Bordo, Livro do Fiscal, Plano de Projeto, Lições Aprendidas, dentre outros, são exemplo conhecidos desta eficiente técnica.

Como nos exemplos, a negligência em relação a erros do passado nos leva, por óbvio, a repetir os mesmos e insuficientes resultados em Concursos Públicos. Ou seja, ficamos fadados a nunca evoluir, e, por consequência, a permanecer assistindo de fora “a fila andar”. E não preciso lembra-los do quão frustrante é a sensação,  uma vez que todos nós já passamos por isso, não é mesmo?

Porém, uma vez  identificado o problema – a repetição dos erros – o que vai nos diferenciar na luta pela vaga é a nossa atitude em relação a ele. Vamos resolvê-lo ou não? Sim, é claro que vamos! Mas logo vem a próxima pergunta: com o auxílio de qual ferramenta?

À época que cheguei a essa dúvida, depois de analisar a História (pela qual sou apaixonado), decidi-me pelo método de registro (e revisão) em diário, e batizei a ferramenta de Diário de Concurseiro! Nesta vertente, a ideia não seria escrever textos abstratos iniciados por “Meu querido diário…”, mas, sim, a de proceder registros curtos e sóbrios sobre os principais e erros e sua mitigação.

O método uma vez adotado começou surtir efeitos quase que instantâneos: os erros ficavam sempre presentes em meu pensamento e eu já não me permitia mais comete-los.  A mitigação se automatizou! Para tanto, eu revisava o meu Diário do Concurseiro semanalmente, especialmente ao me decidir prestar determinado concurso e nas semanas imediatamente anteriores à prova.

O “segredo” é manter o diário sempre atualizado, por isso, optei por ser um arquivo de Word: cru, simples, nada rebuscado. Afinal, o conteúdo das anotações era o que interessava. Incluí novas entradas a cada concurso de que participei. E, como estou hoje na CGU, permito-me dizer que funcionou!

E, para não dizer que é só balela de Blogueiro, disponibilizei ao final deste post meu arquivo original do Diário do Concurseiro! É claro, que, como em qualquer metodologia, vocês terão que adaptá-lo à sua realidade, mas a idéia será sempre a mesma: evoluir na fila!

Diário de Concurseiro - Walter Cunha (1495)

Fica dica!

[]´s

Walter Cunha

»crosslinked«

Walter Cunha

O professor Walter Cunha é pós-graduado em Gerência de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Engenheiro Eletrônico pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica ( ITA).

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Walter Cunha disse:

    @claudomir o problema do Diário foi resolvido. Favor testar. 🙂

  2. Claudomir disse:

    Boa noite Walter,
    baixaram tanto seu diário que está gerando um erro no dropbox. Gostei da ideia, excelente. Esse tipo de metodologia nos permite corrigir e ter disciplina .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *