Aplicando o Evernote na Preparação para Concursos Públicos

Caros Alunos,

Venho hoje, por meio desse post, tentar amenizar uma dívida histórica que tenho com vocês em relação às dicas sobre a Aplicação do Evernote na preparação para Concursos Públicos. Por que amenizar, e não resolver? Porque, para resolver, planejo futuramente demonstrar todas essas dicas, e outras mais que surgirem, em uma palestra presencial especialmente focada no assunto, a qual deve ocorre mais dia, menos dia. Aguardem!

hero_evernote

Pois bem, enquanto a palestra não engrena, vamos tentar consolidar algumas dicas por aqui mesmo. Mas, antes disso, permitam-me descrever um pouco da minha história com o Evernote

Não vou lembrar precisamente o dia em que tive o primeiro contato com a ferramenta, tampouco vou lembrar por qual canal tomei conhecimento. Consultei a minha base mais antiga e ela é do primeiro semestre de 2007. Quanto ao canal, eu apostaria na revista ou mesmo o site da infoexame, da qual até hoje sou assinante.

Base Antida do Evernote

Naquela época, o evernote não passava de um aplicativo “standalone” (não sincronizava a base na nuvem) e era zero social. Todavia, mesmo com todas as limitações, não pude deixar de notar um potencial imenso na ferramenta. Ora, por meio de um simples “WIN+A”, o usuário conseguia captar notas a partir de (praticamente) qualquer aplicativo do computador para uma base centralizada, e já com tudo referenciado: arquivo de origem, data e hora, etc. Além disso, você poderia atribuir tags (nessa época ainda não existia o conceito de Book), que aceleravam ainda mais a busca apurada que a ferramenta já oferecia.

Confesso que sempre o utilizei segundo os diversos papéis que desempenhei, mas, sem sombra de dúvida, foi nos concursos que centrei meu foco desde o início. Assim, o Evernote aos poucos foi se tornando a minha principal ferramenta de estudos, na medida em que me oferecia uma interface única de aprendizado. Explico: em vez de ter que me preocupar em pesquisar (sempre) nas diversas fontes, já contava com tudo (que interessava) na minha base, e o arremate se dava por meio das buscas. Exemplo: Precisava revisar ITIL para um certame próximo da banca CESPE? Ora, eu apenas fazia uma pesquisa na minha base com esses termos-chave, e depois era só ir revisando as notas oferecidas na busca. Simples?

 

É claro que, no começo, você não tem muitas notas, e as consultas praticamente não retornam nada. Só que, com o tempo, elas jorrar “ouro” nos seus olhos. Para vocês terem uma ideia, hoje, minha base está composta por em torno de 11.35o notas, sendo a maciça maioria sobre concursos, mais especificamente sobre as disciplinas que ministro: redes de computadores, gerenciamento de projetos, discursivas e Licitações e Contratos de TI. Dado o tamanho e a aferição constante da minha base, costumo brincar em sala de aula de chamar o Evernote de “oráculo”, já que ele responde praticamente tudo que eu “pergunto”. 

 Status da Base Evernote

Bom, não é escopo desse artigo, e, portanto, não vou me delongar explicando cada funcionalidade do Evernote, para isso você pode consultar direto o link : https://evernote.com/evernote/#. Sendo assim, vou tentar ser bem objetivo e apenas contar como faço para organizar meu conhecimento sobre concursos nele. 

Seguem as dicas:

  1. Guardo no Evernote como notas trechos teóricos e questões comentadas;
  2. As minhas fontes são os mais diversos possíveis: livros, sites, fóruns e listas de discussão, Ferramentas de Questões, etc;
  3. O grande lance é apenas armazenar aquilo que é mais preciso, nem mais (prolixidade), nem menos (negligência);
  4. No caso de questões, armazeno apenas as melhores respostas coletadas nas fontes, e, quando a questão é polêmica, documentos as correntes divergentes sobre o assunto;
  5. Armazeno apenas uma questão por nota, sempre. É como se fosse a “ficha” da questão;
  6. Como comentário, uso tudo que é preciso para o perfeito entendimento da questão, como: texto (padrão), figuras, fotos, mapas mentais, anotações cursivas, e tudo mais que a ferramenta permitir. Até hoje eu não usei os recursos de áudio;
  7. Criei um caderno para Questões e outro para Teoria. Detalhe que alguns questões CERTAS, são tão boas que acabo as salvando seu enunciado como teoria também;
  8. Claro que tenho outros cadernos, mas são para outra área da minha vida: financeiro, do Trabalho; Projetos Pessoais, etc;
  9. Ao captar uma questão, não me preocupo com o título aceito, o automático proposta pela ferramenta. Se você “firular” demais, vai perder tempo, ao invés de poupar;
  10. Critérios como banca, ano, órgão, disciplina, etc, coloco como tags. Assim, você pode atribuir quantas tags quiser, e ainda ter uma determinada nota participando de várias tags da mesma esfera semântica. É só lembrar que uma questão pode pedir vários conceitos simultaneamente. Essa interseção não seria possível se você usasse “Books” para esse propósito;
  11. Há pouco tempo, passei a criptografar os comentários com uma senha padrão (ex. “resposta”). A ideia não é de segurança, mas apenas tirar da vista imediata os comentários, de modo que seu cérebro tenha algum tempo para refletir sobre o assunto, antes de ver a resposta;
  12. Você pode também setar uma data para revisar novamente aquela questão por meio do recurso de lembrete. É claro que isso é um gambiarra para simular o recurso de revisão do anki, o qual ainda tem a vantagem de fazer esse gerenciamento por lote;
  13. Se eu for lembrando de ou descobrindo mais dicas, vou postá-la na sequência.

Vocês devem ter notado que estas dicas não são específicas para Concursos Públicos, mas para a preparação para qualquer prova, ou seja, ele teriam aplicação imediata na preparação para vestibulares, certificações, etc.

Então é isso. Não tem nada de muito complexo, é só questão de organização. Agora, é testaras dicas e confirmar se eles ajudam ou não. De modo a facilitar, segue uma pequena amostra pública de como é a minha base: https://www.evernote.com/pub/cafarnaum/amostrapblica

Bons Estudos!

WC

P.S.: Não adianta ficar pedidndo para eu compartilhar a minha base… 😉

 

»crosslinked«

Walter Cunha

O professor Walter Cunha é pós-graduado em Gerência de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Engenheiro Eletrônico pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica ( ITA).

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. Gonçalo Neto disse:

    Show de bola! Meu Evernote estava esquecido, mas agora dei um “plus” na organização.

  2. Anderson disse:

    Obrigado pela dica,  Walter. Eu já usava o Evernote, mas não nesse nível e nem com essa organização, com certeza vai ser muito mais útil pra mim agora. 

  3. Francismar Erik disse:

    Fala ai Walter! Tambem sou usuário do Evernote antes de virar febre, mas ainda so tenho 1500 e poucas notas por que dei uma boa enxugada mesclando notas parecidas como questoes por exemplo, mas pra mim é uma ferramenta indispensavel.

    Abraço

  4. Marcelo disse:

    compartilha sua base… kkkkkk

  5. Anderson Tenório disse:

    Muito bom Walter!
    Comecei a utilizar o recurso de criptografia recentemente, ajuda bastante.
    Tinha uma dúvida muito grande em relação a organização das notas para as questões comentadas, mas verificando sua amostra, percebi que estou com o mesmo padrão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *